domingo, 7 de novembro de 2010

raiva

Há dias que me sinto em baixo
Dias em que tenho raiva de mim mesma
Raiva porque sou pessoa que só sabe acreditar
Acredito em palavras,
Mas que de acções não têm nada!
Acredito no que dizem porque era bonito
E parecia ter algum sentido,
Até me mostrarem o contrário!

Á dias em que acordo,
E nem sei porque estou aqui...
Nem sei porque ainda vivo,
Não sei porque já não morri...
Já percebi que gostam de me mentir,
De me por em baixo,
De me rebaixar...
Assim vão-me matando aos poucos
Mas não é assim que o quero!
Matem-me de uma vez!!
Não façam com que eu desapareça aos poucos
Só dói ainda mais...
E acabo eu por me matar a mim mesma...
Com sofrimento ou sem,
Mas acabo por desaparecer!

Esta raiva que tenho dentro de mim
Custa a sair,
Não tenho como fazer que ela saía!
É difícil,
Não encontro maneira!

A raiva aumenta,
Quando me apercebo que não consigo acabar com tudo
Fazer o que querem,
E desaparecer...
Mas gostam de o fazer aos poucos...
Dói tanto...
Não sei até quando suporto tanta dor...

Não é pelo sentimento,
Não é pelo que eu tinha para mim,
Não é o ter perdido algo que fico assim,
A razão, é simplesmente,
A mentira...
Sinceridade é tudo que peço mas nem isso me dão...
Depois sou forçada a viver numa mentira,
Tentar mostrar que estou bem,
Para parar com brigas!
Parar com tudo o que me faz morrer...

É disso que tenho raiva...
E quando algum dia me isolar
Me afastar daqueles que realmente gostam de mim
Porque outros me fizeram desconfiar...
Uns dias depois desapareço...
Na minha própria sombra

Vão-se arrepender
De um dia me terem tirado as asas,
E o direito de voar!
E não haverá mais mentiras...

Nenhum comentário:

Postar um comentário